NARIZ

Nesta seção você encontra informações básicas para não médicos sobre a função do nariz e seios da face, além das principais doenças inflamatórias do nariz e seios da face.

Saiba mais

Ouvido

Nesta seção você encontra informações básicas para não médicos sobre a função do ouvido e suas principais doenças.

Saiba mais

Garganta

Nesta seção você encontra informações básicas para não médicos sobre a função da garganta e suas principais doenças.

Saiba mais

Distúrbio do sono

Nesta seção você encontra informações básicas sobre distúrbio do sono e seus efeitos.

Saiba mais

Aviões e Mergulho

Nesta seção você vai saber mais:
– Por que os ouvidos estouram naqueles “pops” quando estamos em um avião, ou mergulhando ou descendo uma montanha ou serra?
– Como as viagens de avião podem causar problemas auditivos?
– Como equalizar o ouvido de seu bebê e o seu?
– E mais…

São muito comuns entre os viajantes de avião os problemas de ouvidos, que apesar de serem relativamente simples na grande maioria dos casos, eles podem comprometer bastante a qualidade de vida dos viajantes, por conta principalmente de dor na região dos ouvidos e perda auditiva, sintomas que se tratados adequadamente, são temporários.
A sua viagem de avião pode ser confortável, basta aprender como equalizar a pressão nos ouvidos evitando a dor e a sensação de plenitude.

Por que os ouvidos fazem “pop”?
Normalmente, pequenos “cliques” ou “pops” são escutados nos ouvidos quando mastigamos. Isto ocorre porque pequenas bolhas de ar entram na orelha média, que fica por trás do tímpano, desde a região posterior do nariz, onde está localizada a tuba auditiva, canal que comunica o ouvido médio ao nariz.
Este ar que entra na orelha média está constantemente sendo absorvido pelas mucosas da região, mas também sendo reposto através da tuba auditiva quando mastigamos, falamos ou fazemos outros movimentos com a boca que potencialmente abrem as tubas auditivas.
Por conta deste mecanismo a pressão atmosférica nos dois lados da membrana timpânica, ou seja, na orelha externa e na orelha média, são praticamente iguais. Se esta pressão não é igual, pode acontecer dor no ouvido e sensação de plenitude.
O canal que liga a região posterior do nariz ao ouvido médio, chamado de tuba auditiva, pode ser bloqueada ou obstruída por um grande número de razões. Quando isto acontece, a pressão atmosférica da orelha média não pode ser equalizada.
O ar que está na orelha média é absorvido pela mucosa criando uma espécie de vácuo, sugando a membrana timpânica para dentro da orelha média, fato que também prejudica a movimentação adequada do tímpano.
Os sons não conseguem ser escutados adequadamente quando a membrana do tímpano não vibra adequadamente, pois não conseguem movimentar os ossículos que levam o som desde o tímpano à cóclea.
Além disso, por conta da distensão da membrana pode gerar bastante dor. Se a tuba auditiva permanece bloqueada, as secreções normalmente produzidas na própria mucosa da orelha média ficam retidas nesta região. A isto chamamos de otite média serosa, ou seja, quando há líquido no ouvido médio.
Quando isso acontece a membrana do tímpano também fica distendida, só que para fora, abaulada. E os ossículos ficam imersos em material líquido, que tem naturalmente mais resistência do que o ar. Os ossículos ficam impedidos de realizarem movimentação normal e também temos a sensação de diminuição da audição.
A causa mais comum de bloqueio na tuba auditiva é o resfriado comum, que pode provocar edema na mucosa do nariz e acabar bloqueando o óstio da tuba auditiva, ou seja, o ponto onde a tuba auditiva se abre dentro de nosso nariz. Outras possíveis causas também incluem rinites, sinusites e alergias nasais.

Como uma viagem de avião pode causar problemas auditivos?
Variações da pressão atmosférica quando o avião está subido (decolagem) ou descendo (pouso) são associados as viagens de avião (em voos comerciais). Isto também ocorre, por exemplo, quando subimos ou descemos uma montanha ou serra.
Para manter nosso conforto, a tuba auditiva tem que abrir constantemente durante estas variações e às vezes esta abertura tem que ser boa o suficiente para equalizar estas diferenças de pressão entre o ar da orelha média e o ar exterior.
Geralmente isso é mais perceptível quando o avião está pousando, quando as variações de pressão são mais bruscas que na decolagem, visto que a velocidade de descida é, na maioria das vezes, maior que a de subida.
Nas descidas, vamos de um ambiente com pressão atmosférica mais baixa (altitudes elevadas) para um ambiente com pressão atmosférica mais elevada (especialmente em Fortaleza, cidade que fica ao nível do mar).
Qualquer situação que envolva mudança rápida de pressão atmosférica pode gerar problemas na verdade, em piscinas mais fundas quando mergulhamos, ou até mesmo em elevadores muito rápidos de prédios muito altos.
Qualquer pessoa pode aprender, mas é por isso que pilotos de aviões e mergulhadores profissionais recebem aulas de como se equalizar a pressão dentro e fora dos ouvidos.

Como desbloquear nossos ouvidos por conta da pressão atmosférica?
O fato de mastigar durante as viagens aéreas pode ajudar a equalizar a pressão atmosférica especialmente logo antes da decolagem e durante o pouso, pois o movimento da mastigação ativa um grupo de músculos que é responsável pela abertura da tuba auditiva, que é uma cavidade naturalmente fechada.
A mastigação acontece quando estamos comendo ou mascando chicletes.
Outro fator importante é evitar dormir em voos especialmente nos procedimentos de pouso (descida da aeronave), pois quando dormimos não temos a capacidade de equalizar esta pressão.
Existe outra manobra que pode ajudar, ela consiste em: tampar as narinas e tentar expulsar o ar pelo nariz tapado com alguma força. Isto ajuda a forçar a entrada de ar nas tubas auditivas o que pode equalizar a pressão atmosférica.
Se estas manobras não forem efetivas, tape o nariz e inspire pela boca. Logo em seguida feche a boca e tente assoar pelo nariz que deve ainda estar tapado por você. Isso deve ser feita de forma gentil e pode ser repetida várias vezes durante o pouso e até mesmo nos mergulhos com cilindro de ar. Outra coisa importante: mesmo após o pouso, continue a realizar estas manobras de equalização, tanto mascando chicletes quanto realizando estes pequenos exercícios.
Se seus ouvidos apresentarem dor ou sensação de plenitude mesmo após a realização dessas manobras, procure um otorrinolaringologista.

O uso de sprays nasais e descongestionantes é recomendado?
Estas medicações podem remover, mesmo que temporariamente, o “edema” da mucosa nasal, ajudando a abrir a tuba auditiva.
Muitos pilotos e mergulhadores experientes usam descongestionantes ou sprays nasais uma hora antes do início do procedimento de descida.
Viajantes com problemas alérgicos devem manter medicação adequada para controle da alergia no início do voo pelas mesmas razões acima, porém essas medicações devem ser utilizadas sempre com cuidado e com orientação médica de otorrinolaringologista, pois algumas classes destas medicações não devem ser utilizadas em pessoas com problemas cardíacos, hipertensão, arritmias cardíacas, doenças na tireoide, dentre outras.

E como ajudar a equalizar os ouvidos de bebês?
Os bebês são incapazes de intencionalmente equalizarem seus ouvidos, por isso que é comum crianças chorando nas decolagens e pousos de aviões. Podemos ajudá-los com manobras indiretas, tais como sugar em mamadeira ou bico.
Alimente seu bebê durante o voo e não deixe dormindo, principalmente durante o procedimento de descida e pouso. Vale lembrar que bebês apresentam tubas auditivas mais horizontalizadas e menores que as nossas, então nunca alimente sua criança quando ele ou ela estiver deitada.

Dicas para prevenção de desconforto durante viagens aéreas:
1) Se você já fez cirurgia no ouvido, fale com seu otorrinolaringologista para avaliar a segurança de se viajar em avião após a realização da cirurgia.
2) Se você estiver com resfriado ou sinusite aguda, tente adiar, se possível, sua viagem aérea.
3) Evite dormir durante a decolagem e principalmente durante o processo de descida e pouso.
4) Mastigue chiclete ou alimento durante a decolagem e o procedimento de descida (incluindo pouso).
5) Quando realizar as manobras de insuflação, não use força. A técnica básica e clássica envolve apenas a pressão criada pela bochecha e os músculos da garganta.

IMPORTANTE: Estas informações foram escritas para ajudar a compreender melhor o seu problema e complementar as orientações dadas por seu médico, mas não excluem a necessidade de uma consulta médica e nem permitem o auto-diagnóstico e tratamento.

Novidades

Perda auditiva unilateral grave é considerada deficiência, diz TST

Perda auditiva unilateral grave é considerada deficiência, diz TST

perda auditiva unilateral igual ou superior a 41 decibéis é considerada deficiência e garante ao candidato de concurso público o direito de disputar vaga para portadores de necessidades especiais.
Saiba Mais
Exercício de respiração

Exercício de respiração

Exercícios de respiração pode aliviar o estresse e consequentemente o zumbido. Dica: O tempo que você leva para expirar deve ser maior que o tempo que você leva para inspirar. Mas não se esqueça essa dica não exclui a necessidade de procurar um médico especialista em Ouvido. Ligue na Clinica Cian e agende sua consulta […]
Saiba Mais
Você sabia?

Você sabia?

O nariz é um dos componentes das vias respiratórias. Na verdade, é o primeiro local por onde o ar passa até alcançar os pulmões. Dentre outras atribuições, ele é responsável pela limpeza, umidificação e aquecimento do ar inspirado. Para exercer essa função corretamente, o nariz possui um complexo mecanismo de defesa. Por isso, ao entrar […]
Saiba Mais