NARIZ

Nesta seção você encontra informações básicas para não médicos sobre a função do nariz e seios da face, além das principais doenças inflamatórias do nariz e seios da face.

Saiba mais

Ouvido

Nesta seção você encontra informações básicas para não médicos sobre a função do ouvido e suas principais doenças.

Saiba mais

Garganta

Nesta seção você encontra informações básicas para não médicos sobre a função da garganta e suas principais doenças.

Saiba mais

Distúrbio do sono

Nesta seção você encontra informações básicas sobre distúrbio do sono e seus efeitos.

Saiba mais

Cordas Vocais

Quando não usadas corretamente, as cordas vocais adquirem calos ou inflamações. Com o avanço da tecnologia, a cirurgia ajuda a restabelecer a saúde sem traumas. Saiba como funciona a cirurgia das cordas vocais

voz

O tempo de duração da cirurgia das cordas vocais varia de acordo com o paciente e acomplexidade da intervenção. Ela pode durar entre 30 minutos e 3 horas.

Se as cordas vocais forem usadas de forma incorreta, elas podem adquirir calos ou inflamações. Graças ao avanço da tecnologia, a cirurgia pode ajudar a reestabelecer a saúde sem traumas. Veja abaixo todos os passos de como funciona a cirurgia das cordas vocais.

Como surgiu:

A cirurgia da laringe era realizada apenas para remover tumores ou corrigir anomalias congênitasgraves que influenciavam na respiração e na deglutição. Com o surgimento das fibras ópticas, os exames da laringe tiveram maior detalhamento nas alterações da estrutura da cobertura das pregas vocais e na relação com as alterações na voz. Assim, passaram a ser diagnosticadas alterações e lesões cada vez menores. Hoje é possível manipular até 1 mm na superfície da mucosa das pregas vocais sem traumas.

Quando é indicada

As duas membranas que fecham a entrada e saída de ar dos pulmões são chamadas pregas vocais. Entre suas funções destacam-se a proteção das vias aéreas da entrada de líquidos ou alimentos durante a deglutição, bem como o mecanismo de tosse que elimina secreções. Além disso, há a fonação (produção de som), que ocorre quando as pregas vocais fechadas sofrem pressão do fluxo de ar vindo dos pulmões, iniciando um ciclo vibratório e produzindo pulsos sonoros. Se há alguma alteração da membrana da prega vocal, o pulso sonoro é gerado com menor amplitude, exigindo maior tensão da musculatura. Nos casos de alterações ou lesões vistos numa laringoestroboscopia, o tratamento cirúrgico é indicado.

A preparação

O paciente deve ficar em jejum por oito horas e é submetido à anestesia geral. Depois, é deitado com o peito virado para cima e a cabeça inclinada para trás. Para evitar o refluxo gástrico que inflamaria as pregas vocais antes da cirurgia, é bom evitar alimentos que geram acidez digestiva, bem como cigarro bebidas alcoólicas. Não é necessário repouso vocal no pré-operatório, desde que não existam lesões inflamatórias.

O procedimento

Com o paciente anestesiado e deitado na posição indicada, é introduzido pela boca o laringoscópio rígido (espécie de cano de cerca de 20 cm de comprimento e 4×3 cm de diâmetro) para a visualização das pregas vocais que medem 18 mm. Após a laringoscopia, usa-se um microscópio com zoom óptico ou digital, que amplia a imagem em até 40 vezes em um monitor de 40 polegadas. É realizada a palpação de cada milímetro da laringe e das pregas vocais procurando relacionar as queixas com as observações nos exames prévios. Esta etapa é chamada de microlaringoscopia exploradora. Localizado o problema, utilizam-se pinças especiais de preensão, corte, dissecção, para manipular os tecidos alterados e preservar o máximo da mucosa normal.

Quanto tempo dura?

O tempo de duração da cirurgia varia de acordo com o paciente e a complexidade da intervenção, mas pode ser de 30 minutos ou durar até 3 horas.

 

Monitoramento

A monitoração durante a cirurgia é feita por vídeo e um equipamento com recurso de gravação acoplado ao microscópio. É fundamental o acompanhamento pós-operatório para avaliar a evolução da vibração das pregas. Faz parte da reabilitação vocal realizar exercícios adequados para estabilização da vibração das pregas vocais.

Contraindicações e riscos potenciais

Em geral, pessoas muito baixas e obesas, com pescoço curto, têm difícil exposição das pregas vocais. Isso aumenta o risco cirúrgico de gerar cicatriz no tecido manipulado, além de fratura dentária e pequenasfissuras na mucosa oral ou labial, decorrentes da dificuldade de acesso à laringe.